quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Teresópolis: última análise da água nas fontes da cidade.

Dando continuidade à vigilância da qualidade da água das fontes da cidade, a Secretaria Municipal de Saúde divulgou o resultado da análise microbiológica feita em 12 fontes. De acordo com as amostras coletadas e analisadas pelo Laboratório Bacteriológico de Análise de Água para Consumo Humano, da Secretaria Municipal de Saúde, as fontes Amélia (Alto), Taumaturgo, Praça Taumaturgo e João Raposo (Tijuca) encontram-se impróprias para consumo.
Como a água das fontes pode sofrer variações de potabilidade, devido a alterações climáticas e do ambiente do entorno onde elas se localizam, os usuários são orientados a sempre ferver ou filtrar e clorar a água antes de ser consumida. A cloração é indicada porque o cloro, em dosagens corretas, elimina vários microorganismos causadores de doenças.
O monitoramento microbiológico da água das fontes da cidade é feito mensalmente pela equipe do Programa Vigiágua, setor ligado à Divisão de Vigilância Ambiental da Secretaria de Saúde. O programa de controle da qualidade da água para consumo humano atende determinação do Ministério da Saúde. O acompanhamento deve ser periódico, a fim de garantir que a água consumida pela população atenda ao padrão e normas estabelecidas na legislação vigente.
Resultado da análise
• Fonte Brahma (Várzea) - Própria para consumo
• Fonte Fonte Santa – Própria para consumo
• Fonte Perpétuo – Própria para consumo
• Fonte São Sebastião (Pimenteiras) - Própria para consumo
• Fonte Santa Ângela (Vale do Paraíso) – Própria para consumo
• Fonte da Saúde (Tijuca) – Própria para consumo
• Fonte Judite (Alto) – Própria para consumo
• Fonte 7 Tanques (Rosário) – Própria para consumo
• Fonte Amélia (Alto) – Imprópria para consumo
• Fonte João Raposo (Tijuca) – Imprópria para consumo
• Fonte Taumaturgo (Taumaturgo) – Imprópria para consumo
• Fonte Praça Taumaturgo (Taumaturgo) – Imprópria para consumo

Tendo em vista os resultados, foi orientada a adoção das seguintes medidas:
1) Interdição das fontes impróprias e investigação de possíveis danos na tubulação ou outras formas de contaminação da água;
2) Orientação aos usuários para que filtrem a água antes de beber, mesmo a das fontes que estão próprias para consumo;
3) Providenciar o reforço e a ampliação do serviço de monitoramento das fontes públicas, conforme solicitado pela Câmara Técnica de Saneamento do Comdema – Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente;
4) Informar a população sobre a potabilidade de cada fonte através da manutenção de placas indicativas.