segunda-feira, 21 de setembro de 2015

Entrevista com a Jô e a Cinthia Mathias na ASSIND - Associação Síndrome de Down.

Jô Falceta, presidente da ASSIND, e a vice, Cinthia Mathias (blusa listrada).
Estivemos nessa última semana visitando as instalações da ASSIND - Associação Síndrome de Down, localizada no bairro de São Pedro, na rua Governador Roberto Silveira, 200. Lá conversamos com a Presidente da ONG, Jô Falceta e a vice-presidente Cinthia Mathias, que nos receberam muito bem e nos forneceram informações sobre o trabalho realizado na unidade (Clique nas fotos para aumentar).

Jô, o que é a síndrome de Down?

- Síndrome de Down, Ronaldo,  é a presença de um cromossomo extra no par 21. Enquanto todas as pessoas tem 23 pares de cromossomos, perfazendo um total de 46, as pessoas com Down tem 47, 3 no par 21. Por isso o nome de trissomia do 21.

Qual o papel da ASSIND nesse contexto?

- Orientar os pais, oferecer oportunidades para o lazer e o desenvolvimento pessoal dos atendidos, apoiar as famílias e lutar contra o preconceito. Existem pais que se sentem culpados por ter um filho com a síndrome. Eles acham que fizeram alguma coisa de errado para o filho nascer assim. A sociedade ainda não tem muita informação sobre a síndrome e existe muito preconceito.

Poderia nos falar um pouco mais sobre o preconceito?

As pessoas com Síndrome de Down são muitas vezes vítimas de preconceito porque falta à população conhecimento sobre essa condição genética. É sempre interessante lembrar que a Síndrome de Down não é uma doença e não pode ser adquirida. A pessoa com Down apenas tem uma condição genética diferente do resto da população. De acordo com o Ministério da Saúde, no Brasil a cada 800 nascimentos, em média, um apresenta alteração cromossômica. 

Os portadores da Síndrome de Down possuem um pequeno atraso para desenvolverem as coordenações motoras e mentais, mas isso não os impede de ter uma vida normal. Eles aprendem e se desenvolvem no tempo deles e a sociedade tem que estar preparada para lidar com isso. 


Há quanto tempo a ASSIND existe e como ela se mantém?

- A ASSIND já existe desde 2006, e é uma associação que depende exclusivamente de doações e do quadro de associados. Não recebemos nenhuma verba oficial. Nosso custo hoje gira em torno de 2000 reais mês, incluindo lanches, mas também temos os padrinhos que ajudam muito. 

A ASSIND trabalha só com voluntários ou também contrata profissionais?

- Todos os nossos colaboradores são voluntários, o que não quer dizer que só trabalhemos com profissionais formados. As vezes uma pessoa sabe tocar violão e deseja colaborar, aí nós podemos utilizar esse conhecimento de acordo com o interesse dos nossos assistidos. Só não podemos deixar de exigir diploma, por motivos óbvios, em áreas como psicologia, Fonoaudiologia, Educação física, etc.

Como se encontra hoje o quadro de colaboradores da ONG?

Hoje estamos bastante desfalcados em relação as diversas áreas de atendimento. Nós tínhamos aqui, por exemplo, uma parceria com a FESO para Clínica Médica, que era feita através de estudantes, mas depois que o convênio com os PSFs acabou, acabou também o nosso convênio e o atendimento parou.  Isso não quer dizer que estejamos sendo mal atendidos na rede pública, mas a presença dos estudantes aqui gerava uma experiência muito positiva para os novos médicos.

Quais são as especialidades mais importantes no caso?

Existem três áreas muito importantes nas quais hoje não temos ninguém: Assistência Social, Fonoaudiologia e Psicopedagogia. Temos educação física, aula de dança, informática, mas estamos sem professor de artes e eles gostam muito de pintar, por exemplo. Precisamos encontrar voluntários nas áreas de Fisioterapia, Apoio Escolar, Música, culinária, etc. Quanto mais expandirmos esse leque cultural melhor e mais rico será o desenvolvimento dos nossos atendidos.



Se algum dos nossos leitores quiser colaborar com a ASSIND, é possível??

- Claro, nós estamos sempre necessitando de colaboradores, Ronaldo. Nesse caso vamos pedir aos interessados que se dirijam a instituição para que possamos viabilizar essa participação e muito obrigada por prestigiar nosso trabalho com essa entrevista.


A ASSIND fica na Rua Governador Roberto Silveira, 200, Bairro de São Pedro. Tel: 3642-8081. Horário de funcionamento: Segunda à sexta das 13 ás 17hs.