sexta-feira, 25 de setembro de 2015

ENTREVISTA COM O SECRETÁRIO DE MEIO AMBIENTE DE TERESÓPOLIS EDUARDO NIEBUS - Aterro sanitário


Eduardo Niebus, Secretario Municipal de meio Ambiente

Eduardo, qual a situação do Aterro Sanitário nesse momento?

- Ronaldo, em primeiro lugar nós precisamos deixar bem claro que a gestão do aterro é terceirizada por uma empresa que passou pelo processo de licitação. Desde que eu assumi a secretaria, já fiz cinco notificações a empresa pelo não cumprimento dos requisitos contratuais, mas a empresa vem recaindo nos mesmos erros de manutenção.

E o município? Vai entrar na gestão do aterro nessa fase de transição?

- Desde a semana passada estivemos com o governador Pezão e o secretário André Correa em busca de ajuda do Estado para sanar o problema, e com certeza não vamos deixar a coisa do jeito que está. O município está sim, entrando na gestão para tentar remediar as problemáticas encontradas lá até que o Estado nos dê o apoio necessário.

De que forma seria esse apoio do Estado?

- O apoio do Estado pode ser através de máquinas, apoio técnico, mas o que pleiteamos é que o Estado assuma o aterro para recuperação e depois devolva ao município.

E qual é a posição do Estado nesse momento?

- Então, estivemos ontem com o coordenador de políticas de resíduos sólidos do INEA, que esteve em Teresópolis para avaliar a situação. Fomos ao aterro onde ele fez um levantamento e constatou que a situação do aterro está péssima. O Secretário André Correa esta se empenhando em ajudar Teresópolis nesse caso, junto com o governador para que tenhamos o apoio necessário.

E a empresa terceirizada já deixou o aterro?

- Nós tivemos que interromper por 12 horas o recebimento de resíduos  particulares para que ela faça alguns ajustes na situação e nos entregue a área melhorada. Eles nos solicitaram isso.

E essa interrupção não causa transtorno aos transportadores?

- Sim, mas é em prol de melhorias para a cidade. O município está assumindo o aterro, estamos trabalhando para corrigir erros e melhorar o atendimento. Depois, é preciso lembrar que o município não tem nenhuma obrigação com empresas particulares. O município tem sido parceiro, tem colaborado, mas não é obrigado por lei a prestar esse serviço gratuitamente, como acontece em outros municípios.

O município vai passar a cobrar essa deposição de resíduos no Aterro para empresas particulares?

- Sim estamos mandando para a Câmara uma lei de cobrança, seguindo a política nacional de resíduos sólidos e começará a haver cobrança o mais breve possível, para que o serviço possa ser prestado com melhor qualidade como se faz em outras cidades.

Eduardo, nós recebemos uma denúncia sobre um possível favorecimento em que um limpa fossa teria descarregado à noite no aterro em prejuízo de outras empresas quando o aterro estava fechado.  Você foi comunicado?

- Não, mas fiquei sabendo. Eu achei uma falta de cuidado da pessoa que fez essa denúncia, porque ela não foi formalizada junto a Secretaria de Meio Ambiente. O procedimento correto é comunicar primeiramente a Secretaria. Vamos lembrar que a empresa que administra o Aterro é terceirizada, não foi a Prefeitura que fez isso caso tenha ocorrido. Quero deixar aqui um recado para a população. Se vocês pensam que as denúncias feitas a Secretaria de meio Ambiente não vão ser apuradas, estão enganados. Todas serão apuradas, mas é preciso que as denúncias cheguem até nós.