quinta-feira, 1 de maio de 2014

Pesquisa divulgada nesta terça (29), revela queda de seis pontos na popularidade de Dilma

Dilma cai 6 pontos na pesquisa
De acordo com pesquisa divulgada na manhã desta terça-feira (29), pela Confederação Nacional dos Transportes (CNT), realizada pelo Instituto MDA, a presidente Dilma Rousseff tem 37% das intenções de votos do eleitorado, o que representa uma queda de seis pontos em comparação com o último levantamento, de fevereiro, quando a candidata do PT registrou 43,7%.
Pré-candidato pelo PSDB, o senador Aécio Neves subiu 4,6 pontos, para 21,6% (ante 17% em fevereiro), enquanto Eduardo Campos, do PSB, tem 11,8%, 1,9% a mais do que na última pesquisa (9,9%). Apesar da queda, a candidata do PT ainda tem pontuação maior que a soma de seus adversários, o que indica que venceria no primeiro turno se as eleições fossem hoje.
De acordo com a pesquisa, 20% dos entrevistados votariam em branco ou nulo, e 9,6% dos entrevistados não souberam ou não responderam. Nenhum candidato pequeno foi incluído na sondagem nesse cenário da mostra.
Num eventual segundo turno, a diferença entre Dilma e seus adversários diminui. Em disputa com Aécio, ela venceria com 39,2% dos votos (ante 46,6% em fevereiro) contra 29,3% do tucano (que tinha 23,4%). Contra Campos – em fevereiro, Dilma tinha 48,6% das intenções de voto e caiu para 41,3%, enquanto o ex-governador pernambucano cresceu de 18% para 24%
.
Avaliação do governo             
    
A pesquisa apontou queda na avaliação positiva do governo Dilma Rousseff. O percentual caiu de 36,4%, em fevereiro deste ano, para 32,9%. A avaliação negativa aumentou de 24,8% para 30,6% e a regular diminuiu de 37,9% para 35,9%. A aprovação do desempenho pessoal de Dilma caiu de 55% para 47,9%, enquanto o percentual que desaprova a administração da presidente aumentou de 41% para 46,1%.

A aprovação do desempenho pessoal da presidente também caiu de 55% para 47,9%, enquanto o número de entrevistados que desaprovam a administração de Dilma aumentou de 41% para 46,1%. A pesquisa entrevistou 2.002 pessoas de cinco estados, das cinco regiões do País entre os dias 20 e 25 de abril. 
Com Brasil 247