domingo, 31 de maio de 2015

PROGRAMAÇÃO DA 2ª MOSTRA INTERNACIONAL DE TEATRO DE RUA DE TERESÓPOLIS - Veja a lista completa. De 04 a 07 de junho.

DIA 03 DE JUNHO – quarta-feira
Aldeia Cultural Casa Viva
Chegada dos artistas ao município
DIA 04 DE JUNHO – quinta-feira – a partir das 10h
Vale dos Cedrinhos - Albuquerque

- Espetáculo único - Grupo Caras Pintadas (Rio de Janeiro/RJ)
"Um Faz de Conta que Acontece" - Espetáculo infantil que conta a história de três crianças. Em um antigo baú do avô, elas acham um livro que abre um mundo cheio de sonhos e fantasmas, o que as leva a embarcar em uma grande aventura. O espetáculo aborda de forma lúdica e criativa a higiene pessoal e a alimentação saudável. Interativo e divertido, envolve as crianças e adultos nesse universo mágico e educativo. Apresentação especial para a comunidade agrícola do Vale dos Cedrinhos, Albuquerque.

Feirinha de Teresópolis – Praça Higino da Silveira, no Alto

- Recepção aos artistas e ao público pelos grupos locais Mambemberê, dirigido por Ayrton Rebello, e Teatro Gesto da Aldeia, dirigido por Licko Turle, mestres de cerimônia.

- Espetáculo 01 – Léo Carnevale (Rio de Janeiro/RJ)
‘Pulitrica’ - Afonso Xodó, nosso pulitriqueiro, é um falastrão. Um andarilho, um transeunte, conhecedor de ciências ocultas. Tenta mostrar uma elevada capacidade em números, que criam efeitos e fenômenos extraordinários, contrários às leis da natureza.

- Espetáculo 02 - Grupo DC ARTE (Bogotá/Colômbia)

‘Bandoleros’ - Obra de teatro com referências históricas, baseada na guerra bipartidista da Colômbia, disputada entre liberais e conservadores, entre os anos 40 e 60 do século passado, para ocupar os poderes políticos colombianos.

- Espetáculo 03 – Grupo Será o Benedito? (Rio de Janeiro/RJ)
‘A farsa da esposa muda’ - Uma mulher que não fala há anos acaba se submetendo às obrigações que o lar e o marido a impõem. O marido, angustiado por nunca ter sido elogiado, ou ter recebido uma palavra de carinho da mulher, busca um médico que a faça falar. Encontrado o doutor, uma operação faz com que, quase por milagre, ela volte a falar. Depois de curada, ele se depara com uma mulher "faladeira" e se vê com um novo desejo: o de fazê-la parar de falar novamente! A partir dessa questão, o espetáculo prepara várias surpresas ao espectador e se desenvolve apresentando um final divertido e surpreendente.

Dia 04 de junho – quinta-feira – a partir das 18h

Casa de Cultura Adolpho Bloch – Praça Juscelino Kubitschek, Araras
- Palestra e Oficina DC ARTE durante a reunião do Grupo de Trabalho Setorial de Teatro e Circo.

DIA 05 DE JUNHO – sexta-feira – a partir das 13h
Calçada da Fama – Várzea
- Recepção aos artistas e ao público pelos grupos locais Mambemberê, dirigido por Ayrton Rebello, e Teatro Gesto da Aldeia, dirigido por Licko Turle, mestres de cerimônia.

- Espetáculo 01 – Edmilson Santini (Belas Águas/PE)

‘Teatro em Cordel’ - Um conjunto de histórias em linguagem de cordel, onde o narrador desdobra-se entre o canto, a encenação e a fala, propondo ao público um passeio cênico-poético por temas que muito influenciaram a obra de Mário de Andrade. Começa por Uma lenda do Pau-Brasil, seguida por Saci Pererê, Príncipe duma perna só, e inclui trecho de Macunaíma – Uma rapsódia em cordel, inspirada na obra original.

- Espetáculo 02 - Grupo Tia Teatro (Canoas/RS)

As ginetadas do Valente Toninho Corre-mundo na Estância do Poderoso Cidão Dornelles’ - Nesta história são relatadas as aventuras e peripécias do aventureiro gaudério Toninho Corre-mundo, que certo dia inventou de se espraiar pro sul e se aprumar num emprego de domador de cavalo xucro, lá na Estância de Cidão Dornelles. Mas os fatos descambam pra outras aventuras. Assombração, Cobra Grande, Diabo, muito suspense, humor e, claro, uma pitada de romance, fazem parte da peça, pra dar um friozinho na barriga.

- Espetáculo 03 – Grupo Buraco d’Oráculo (São Paulo/SP)

‘O Cuscuz Fedegoso’ - Dona Maria do Cuscuz vende seus quitutes nas ruas. Entre as guloseimas está o cuscuz feito com fedegoso, um matinho cheiroso. Como não encontra comprador, oferece o tal cuscuz a um pedinte, que ao se deliciar com a iguaria, finge passar mal para não ter que pagar. Desesperada, dona Maria pede ajuda a Mãezinha do Quixadá, uma raizeira que vende ervas medicinais. A raizeira irá aplicar toda sua charlatanice para identificar a suposta doença do pedinte, de forma que possa arrebanhar mais fregueses para seus miraculosos produtos. Fica armada uma grande confusão, que só acaba com a presença dos guardas de plantão, que chegam para estabelecer a ordem e os bons costumes.

- Espetáculo 04 - Grupo DC ARTE (Bogotá/Colômbia)
‘Bandoleros’

DIA 05 DE JUNHO – sexta-feira
Aldeia Cultural Casa Viva
- 20h – Lançamento de livros:
‘A contemporaneidade do Teatro de Rua’, de Jussara Trindade Moreira;
‘Teatro do Oprimido e Negritude’, de Licko Turle;
‘Teatro de Rua no Brasil’, de Licko Turle e Jussara Trindade.

- 20h30 – Palestra
‘A crítica no Teatro de Rua’, com a professora Jussara Trindade, doutora e PhD em Artes Cênicas pela UNIRIO
Mediador: Professor Licko Turle, PhD em Artes Cênicas.

DIA 06 DE JUNHO – sábado – a partir das 13h

Calçada da Fama - Várzea
- Recepção aos artistas e ao público pelos grupos locais Mambemberê, dirigido por Ayrton Rebello, e Teatro Gesto da Aldeia, dirigido por Licko Turle, mestres de cerimônia.
- Espetáculo 01 - Grupo Pirueta (Teresópolis/RJ)
‘A Banda’ - A palhaça Jujuba (Jeanette Albuquerque) e a palhaça Barbarella (Ivo Bernardo) tentam apresentar ao público a música "Tem gato na Tuba", de Braguinha, mas sempre sofrem interferências da palhaça Pipa, que cisma em fazer parte da banda com os instrumentos mais inusitados.

- Espetáculo 02 - Grupo DJELI (Maceió/AL)
Afrocontos, afrocantos’ - Reunindo contos populares e canções, o espetáculo procura representar a cultura popular da África, através de histórias originárias de Angola, Congo, Quênia e Argélia e sua presença na cultura popular do Brasil, como é o caso da livre adaptação de Toni Edson para um fato histórico, a narrativa "Rosa Francisca". Os contos falam de tramoia, de trapaça e de justiça, com uma dose de mistério e formato cinematográfico.

- Espetáculo 03 - Centro de Experimentação Teatro de Raízes Populares (Rio de Janeiro/RJ)
‘Na moral das histórias’ - Um passeio pela cultura popular, pelos contos da tradição oral, trazendo para nosso ambiente urbano a criatividade do homem do campo, brincando com a estética dos espetáculos populares. Mostra como a cultura popular tem a ver com o dia a dia das pessoas de um determinado lugar, com o imaginário delas.

- Espetáculo 04 - Grupo Bubuia (Rio de Janeiro/RJ)
‘Entre o amor e a espada’ - Baseado na literatura de cordel de José Camelo de Melo, o espetáculo procura recriar e reinterpretar expressões culturais, como as danças de roda e o maculelê, transpondo-as para o palco e para a realidade das personagens, em função da concepção dada à obra homônima.

DIA 07 DE JUNHO – domingo – a partir das 13h

Feirinha de Teresópolis – Praça Higino da Silveira, no Alto
- Recepção aos artistas e ao público pelos grupos locais Mambemberê, dirigido por Ayrton Rebello, e Teatro Gesto da Aldeia, dirigido por Licko Turle, mestres de cerimônia.

- Espetáculo 01 – Trupe Circônflexo (Teresópolis/RJ)

‘O atirador de facas’ – Apresentação da versão cômica do número do atirador de facas, um clássico do circo. Adaptado pelo palhaço Fiapo (Ivo Bernardo), os palhaços trazem toda a tensão de um número de lançamento de facas e malabares de fogo, envolvendo a plateia em suas trapalhadas e trazendo ao fim um desfecho único e totalmente inesperado.
- Espetáculo 02 – Grupo Do buraco sai o quê? (Rio de Janeiro/RJ)
‘Nós na Xepa’ - Deuterômino, Amapela, Duingo e Cuzindim são feirantes de rua que descobrem no teatro um meio de melhor conhecer suas próprias histórias. De forma leve e alegre, o espetáculo convida o público a refletir criticamente e a se divertir.

- Espetáculo 03 – Trupe Família Clou (Nova Friburgo/RJ)

‘O menor circo do mundo’ - Com a vantagem sensacional de caber em qualquer espaço, seja ele um teatro, uma praça ou até uma pequena sala, o Menor Circo do Mundo sofre, no entanto, de um pequeno problema: seus trapezistas voadores voaram; o mágico sumiu; os barreiras foram barrados; e só sobraram os palhaços! Com números de mágica, malabarismo, equilíbrio, música ao vivo e muita palhaçada, o espetáculo é encenado há mais de sete anos pela Família Clou.

TODOS OS DIAS

CeniCafé - Durante todos os dias da mostra, a partir das 9h, na Aldeia Cultural Casa Viva, serão realizadas edições do CeniCafé, com debate sobre os espetáculos apresentados no dia anterior. Participação de Toni Edson, Daniela Landim, Jussara Trindade e
Licko Turle.