quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Delegacia de Teresópolis, registra uma tentativa de golpe por semana. Estelionatários pegam os dados da vítima por telefone.

Uma tentativa de estelionato foi registrada na noite desta terça-feira (4) em Teresópolis, na 110ª Delegacia de Polícia. A vítima, uma professora, forneceu dados bancários e pessoais após receber uma mensagem informando que ela teria direito a instalação gratuita de um sinal de televisão. A professora ligou para o número indicado na mensagem recebida no dia 30 de janeiro e nesta terça-feira (4) teve o cartão de crédito bloqueado pelo banco, que desconfiou da transação pela internet. Os registros sobre este tipo de golpe têm sido frequentes, segundo a Polícia Civil.

Pelo menos uma por semana. Este é o número de reclamações recebidas na 110ª DP, segundo o inspetor Jean Aguiar. Os relatos são sobre golpes por telefone. “Alguns esquemas são tão profissionais que trabalham com números 0800 e possuem 'call center'. As pessoas devem desconfiar de promoções nas quais não se inscreveram e não devem passar dados por telefone”, orienta o inspetor.

A vítima que fez o boletim de ocorrência nesta terça-feira não chegou a ser lesada, mas teme que os estelionatários façam uma nova tentativa. A recomendação, nestes casos, é a de comunicar a polícia para que, posteriormente, a pessoa possa buscar o ressarcimento junto ao banco.

O Inspetor ressalta que muitas vezes são solicitadas transferências ou depósitos bancários para que o suposto premiado possa receber o benefício. Em outros casos, são enviadas mensagens que fornecem um número, inclusive 0800, para que o sorteado entre em contato.

O próprio inspetor ligou para um número, o 0800 607 5300, e concluiu que se tratava de um grupo que agia de Goiás. “Eles fazem de tudo para convencer a pessoa de que é uma promoção verdadeira. Dizem até que é o último dia para aproveitar”, alerta o policial. Ele lembra que a professora escapou de um prejuízo de R$ 1.800 porque no momento da transação foi solicitada uma senha que o golpista não tinha. Este caso, assim como os que vem sendo registrados na delegacia de Teresópolis, estão sendo investigados.

(G1)